O envelhimento dos nossos pais

Oi sumidos. Ãh? Eu que sumi? Ah, é mesmo. Sumi em solidariedade à Lu Brasil, que também sumiu do blog dela, e quando ela não posta quer ficar desabafando comigo no MSN, e eu, que sou facinha facinha, entro na onda.

Mas voltei de braços abertos sobre a Guanabara pra falar de uma coisa que todos nós passamos ou passaremos em breve: o envelhecimento dos nossos pais.

Évirbarinôus que minha mãe cuida do João pra mim e ela é ponta firme (oi? odeio essa expressão). É saudável, se cuida, faz academia, tem disposição. Mas eu tenho que admitir que logo ela não terá mais tanta disposição nem saco pra cuidar de um menino super ativo, e também acho que ela já fez demais e que tem todo direito do mundo de alegar que cansou e que quer fazer outra coisa mais divertida. Já comecei sofrer, perceberam?

Meu pai também é saudável e tals, mas já foi promovido da sub-categoria teimoso para a categoria porta. Jesus. Ontem em uma conversa de 10 minutos ele discordou de quase tudo, até a gripe suína ele acha que não é pra tanto e que eu deveria deixá-lo ir pro shopping com o João.

Mas voltando ao tema principal, vejo meus amigos que já não têm seus pais, ou que um dos dois começou a adoecer e ter dificuldades por causa da idade. É algo que todos nos confrontaremos, pelo menos se a regra natural da vida acontecer.

Não deve ser fácil ver nossos pais começando a ficar mais distantes, ou esquecendo de coisas simples, ou pior, ficando doentes. Eu acho que vou precisar de uma dose extra de paciência além de tudo!

Anúncios

28 comentários sobre “O envelhimento dos nossos pais

  1. Oi jane!
    Falando na Lú…olha ela aqui em cima!Rs
    É muito complicado essa situação, meus pais me tiveram aos trinta anos ou seja, hoje estão beirando os sessenta,mas eu noto que a marcha já está ficando lenta sabe?Não acompanham mais nosso estilo de vida, meu e das minhas irmãs,não tem a mesma opinião…
    Para vc ter uma idéia nem celular e nem computador eles usam, já fizemos de tudo, e nada!Resolvemos então deixar pra lá!
    Com relação a netos, eles ainda não tem nenhum, e quando tiverem acho que não terei a mesma sorte que você de poder contar com eles para tomar conta dos meus filhos, vamos esperar pra ver no que vai dar…
    Mas ainda sim, todo esse abismo que existe entre meus pais e eu, sei que eles farão muita falta…
    Paciência?Este item com eles, eu cresci desenvolvendo…ou seja, sou quase uma monja Tibetana!
    Beijos querida!!!!

  2. Pegou no meu ponto fraco, Jane!
    Meu pai já foi tem 11 anos, mas parece q foi ontem!
    Mamae ta aki firme aos 76! Lepida e fagueira!
    Ficou quase 4 meses em sua terra natal – Teresina – livre dos filhos – eu e meu mano e da afilhada (q mora com a gente) –
    la ela foi a tudo medicos, shows, viajou pra Fortaleza com a prima-irma de 87 anos (q outra dura na queda, perdeu um filho no ano passado).
    O q no momento atrapalha a minha mae é a perna, ela deu uma distençao q o medico diz q ela deu um nó no nervo.
    EH eu tenho sim q ter P A C I E N C I A! Com ela, pq ela gosta de ficar dando voltinhas e nao pode mais andar sozinha!
    Eh isso!
    Beijos mil.
    Eminha

  3. Bom tema, Jane. Estou passando por uma fase que nunca pensei: cuidando de neto “full time”! Neiiiimmmmm!!!! Vó é vó, só pra visitar, ser visitada, fazer mimos, passear! Não pra cuidar de neto em tempo integral. Mesmo como a sua mãe, que cuida só um horário, porque no outro o filhote está na escolinha, é muito difícil a gente ter essa “obrigação”.
    Entenda: faço com o maior gosto, amo minha neta com paixão, mas…
    Entenda II: sei que minha filha precisa de mim, não tem – ainda – como se virar sozinha, odeio pensar na neta nas mão de babás e é muito novinha pra uma escolinha.
    Então o recurso que temos é uma ficar com a outra…Acontece, também, que as coisas são assim e não se pode fugir delas. Quando tem que ser, vem.
    Eu estava “com a vida ganha”, por conta do nada, até tédio tinha, o dia era loooongo…
    Agora não tenho do que me queixar. Enfim, faço com gosto mas não acho certo, entende?
    Essa emancipação feminina tinha que vir acompanhada de um ofício cujo Item I seria: “Toda mulher tem o direito de trabalhar fora, ganhar seu sustento, pra pagar suas contas ou seus luxos MAS se tiverem filhos terão que ficar em casa, por conta deles, até que completem 6 anos de idade e possam ir pra Escola, período integral, nas maravilhosas escolas que nosso governo disponibiliza para tal fim.” (Não sendo assim, nada de Mãe trabalhando fora e avó cuidando de neto!).

  4. Thienny

    Meus pensamento de TPM… aqueles dos dias de tôfeia/gorda/magra/ficando careca/tenhocabelodemais (coloque aqui o seu motivo de queixa)…
    Verdade mesmo, já tive crises de choro terríveis porque parei para filosofar assim quando estava na deprê…

    Sofrooooooooooo…:(

  5. Amiga vc. colocou aqui uma questão que sempre está em minha mente: “como teria sido ver meus pais envelhecerem”; eles já estão no “outro” andar e se foram muito cedo ela estava c/ 45 anos e ele com 58; mas hoje em dia vejo 2 tias que eu gosto muiiiito e quando eu era criança elas eram ativas, inteligentes, sabe aquelas tias que são sempre referencial de adulto legal, pois é, essa eram elas, massss o tempo passa o tempo voa e daí vc. a vê de tempos em tempos ficando velhinhas, sem agilidade, digamos meio “fora” do contexto, ti digo é muito estranho ver nossos referenciais envelhecerem.
    Bjs.

  6. Ah Jane, nem me fala… tenho pensado muito nisso ultimamente.
    Meus pais estão com 61 (mãe) e 71 (pai). Minha mãe é toda depressiva e ter paciência é muito complicado, principalmente pq ela é assim a vida toda. Meu pai é muito ativo, trabalha até hoje, mas eu percebo as dificuldades que ele tem para entender algumas coisas e já não é tão rápido de raciocínio com antes. Isso dói.
    Penso na sensação que eles estão vivendo e que não posso fazer muita coisa e penso que isso é só o começo de uma fase muito difícil.
    Sem falar que não dá para não lembrar que um dia eles vão embora, né? 😦
    Deprimi… vamos mudar de assunto???
    Beijos!

  7. bom, eu devo ter mais ou menos a idade da sua mãe (acho). por enquanto também cuido do neto numa boa!

    agora, a minha mãe! tá difícil, viu? tá meio esquecida, teimosa, perdeu o freio, tá falando um monte de mer%$… sei lá o que vai ser daqui a uns anos. me preocupo mesmo.

    bj

  8. cris

    Lúcia quando crescer quero ser igual você: ajudar só MESMO SE FOR PRECISO!!!!!!

    Quando for vó quero estar com meu maridinho e cuidar dele e de mim.

    bjs

  9. Cada um sabe de si… está sendo dureza aguentar minha mãe com seus 80. Meu pai com 86 está muito mais sadio que eu, e com certeza mais “esperto” do que ela.
    O caso é que além da saúde debilitada, ela está cada vez mais implicante – e não tem nada a ver com o alemão, é “porre” mesmo.

    Sei que saudade de quem já foi é duro, mas aguentar quem a ente deveria sentir prazer com a presença tendo somente que “suportar” e “engolir”… é dose.

    Desculpaí o desabafo! 😉

  10. Depois de 156882482 dias sem aparecer pra ler and comentar, cá estou eu.
    Eu sou uma dessas da categoria “pais ausentes”. Sou caçula e cresci (pq sou bem mais nova que meus irmãos) vendo minha mãe “ajudar” todos os filhos que tiveram filhos. Quando chegou a minha vez, ela não pode me ajudar, porque já não estava bem de saúde.
    E senti a maior falta.
    E me sinto a pior das mortais por não ter tido a companhia dela quando Bruno nasceu, mesmo sabendo que ela não estava presente por motivo de saúde (doença).
    Mesmo assim, faço o possível pra Bruno ter contato com eles, mesmo que moremos há 500 km de distância.
    Então, relax, curta muito estes momentos com sua mãezona, pq quem mais ganha com isso são os filhos, tua mãe ainda vai ter muiiiiiiiiiiiiita força e disposição pra ficar e cuidar do João.
    Saudade de vc viu.
    Eu sumo, mas vc continua sendo minha ídola, FOREVER!
    Beijooo!

  11. É um assunto que sempre me emociono. Agora que eles já estão num plano bem mais superior que esse nosso, sofro pela ausência, pelo que terei que passar tb e pelo que minha filha também passará comigo.Coisa natural???NÃO, pra ninguém.
    A natureza é bela mas tb tem seu lado ruim.
    É por isso que devemos curtir cada minuto de nossa vida com nossos pais e não ficar aborrecida por coisas idiotas, dizer muitas vezes ” Mãe, eu te amo…Pai, eu te amo – porque a vida passa muito depressa…Graças a Deus tive muito essa oportunidade e os amei muito.
    Quanto a ficar com os netos, tudo tem seu tempo , mas não se culpe por deixar seu filho com eles. Esse aprendizado dele e de seus pais é divino…Lembrar dos avós, do carinho, são poucos que têm esse prêmio.
    Adoraria ter a oportunidade de estar mais presente na vida de minhas princesas Bruna(5 anos) e Luiza ( 3 anos), de presenciar os encantos das risadinhas, das brincadeiras, das novidades, das bagunças delas, dos “estalos de aprendizagem” – minha Bruna já está endo tudo e escrevendo), mas por estarmos em morando em estados diferentes ( Rio/ São Paulo), só consigo esse presente a cada dois meses e semana que vem estarei no Rio, beijando, apertando, lambendo minha cria e minhas netas. A sorte é ter essa modernidade de internet e poder vê-las pela web quase diariamente.
    MAS TUDO É BENÇÃO DE DEUS!
    E,pra alegrar + um pouco tudo, tem 1 selinho mais que especial pra vc no meu blog.
    Beijocas carinhosas

  12. Eita Jane, que tem um tempo que ando pensando nisso… Dá um “meda” de ter que passar pela lei da natureza (que eles irão primeiro), né?
    Minha melhor amiga, desde a infância, perdeu o pai dia desses (que tinha a mm idade do meu), daí comecei a pensar em como será quando (e se) chegar a minha vez!
    Ou pior, um dos dois precisarem de cuidados, do tipo de ficar numa cama, inválidos… Fico me perguntando se tenho estrutura, se saberei cuidar… Eita que dá uma nóia no meu cérebro já meio atordoado!!

    Bjuu, fiquei até triste agora…

  13. Bom, aqui é complicado, cuido do meu pai pois ele tem mal de parkinson depende de mim pra muita coisa (não pra tudo!) e me ajuda em muitas coisas também, e estou grávida quase de 8 meses, até agora não deixei de fazer NADA. E moro com ele, até porque, não posso deixa-lo ele não tem condições.
    To super preocupada porque não sei o que fazer quando o bebê nascer, vai ser complicado conciliar tudo, não tenho ‘empregada’, nem babá nem nada, é só eu mesmo. Apesar de gostar muito de fazer tudo que faço, vai ser complicado!

    Mas sei que seria bem pior se eu não tivesse meu pai por perto, é ele quem me da vários conselhos e dicas que só pai sabe dar! hahaha
    Sem contar que ele já se dispôs a olhar minha filha pra eu ir tomar um banho, ir no mercado, coisas fáceis mas que com criança e sozinha seria bem mais complicado! hahah

    Beijos beijos.

  14. As vezes eu penso assim: Eu tenho tanta paciencia com meu marido (marido nem é parente né?) pq não terei com meus pais?
    Fica pensando nisso não, vc vai ter muito tempo pela frente ainda pra abusar da boa vontade da sua mãe.
    bjs

  15. telma linhares

    Fico pensando também… sobre isso… justamente esses dias…
    a igreja que frequentamos fez 150 anos… e um amigo nosso com 75 anos falou pra outro amigo nosso com 25 anos: – quando você for pro aniversário de bi-centenário, lembra de mim tá??, pois hoje com 75 não chegarei a tão longe… escutei essa conversa e parei pra pensar… nos meus pais… que estão chegando aos 70, ainda com muita saúde(não tanta, mas deixa pra lá)… e pensando em mim… que chegando aos 50…. que estranho imaginar que coisas irão acontecer… e eu ou os meus pais queridos não estarão presente… a vida continua sem você…. outros nascem, fazem festa de aniversário, se formam, se casam… e seus pais não estaram lá para dá um abraço, um sorriso de alegria…é tão estranho esse sentimos que estou sentindo, depois de ouvir essa conversar, e agora lendo o seu blog me deparo com este assunto… realmente , não nascemos pra morrer… então chegamos a seguinte conclusão: vamos viver a nossa vida da melhor maneira possível… vamos fazer bem… vamos nos gastar pelos nossos amados… para deixarmos uma marca de amor… um rastro bom para os que irão nos acompanhar…
    é isso.
    um beijo
    telma

  16. Eu não gosto nem de pensar em uma situação dessas….
    Meus pais já estão na casa dos “60” mas estão bem, aliás muito bem…. dispostos a aprender e trabalhando ainda (os dois), tenho medo de um dia isso ter um limite para eles… mas ainda não quero pensar nisso – prefiro conversar com eles pelo MSN trocar e-mails com eles e o mais gostoso ver os dois de divertindo com meus dois filhos (que amam eles, muito). O meu problema mesmo é com minhas duas avós que tem 83 anos e dão mais trabalho coma a saúde e a teimosia (parecem crianças birrentas) mas por enquanto nós nos revezamos na paciência…. Quando a de uma acaba ai outro assume… e de vez enquanto damos muitas risadas de alguma situações (quando o nervoso vai embora).
    Obs.: curta os momentos o maximo possível com seus pais – mesmo dando um pouco de trabalho esses são únicos… beijos…

  17. Ai Jane, de vez em qdo eu penso nisso e dá certa depressão sabe?
    Não gosto de pensar na hora que meus pais vão partir daqui… é deprimente, pq sou mto ligada.
    Sei que essa hora vai chegar e paciência vai ser o ítem nº 1 pra lidar com isso, pq vou precisar de mta, mas… prefiro deixar pra pensar mais pra frente 😉

    Bjos, bom fds!

  18. Jane
    Parece que hoje todas as blogueiras resolveram falar de sentimentos e o que vc abordou é muito especial.

    Minha mãe tá envelhecendo, mas está bem, temos sempre estimulado-a a fazer coisas que a deixe em movimento, que exija concentração, memória, prazer. Quando penso que posso perdê-la sinto uma dor aguda no peito e meus olhos se enchem de lágrimas.

    Sei que isso é puro egoismo, sou espírita, acredito que estamos apenas de passagem, mas em relação à ela, sou bem humana com muitos defeitos.

    Já em relação ao meu pai, bem meus sentimentos por ele se restringem apenas à responsabilidade de lhe dar uma velhice digna. O resto simplesmente não consigo devido um passado não muito feliz. Já me crucifiquei por isso, hoje aprendi que sentimentos não podem ser cobrados e vou seguindo.

    Bom final de semana.

    Ah, passa lá no Mundinho que hoje tem entrevista especial.

  19. Patrícia

    Jane, esse, definitivamente, NÃO é um tema lúdico-filosófico… Gostei muito deste post, e, como as outras comentaristas, pensei nos meus “velhinhos” tbm. Minha mãe 63 meu pai 71. Minha mãe se aposentou há três anos e é ela também quem olha o Antônio, filho do meu irmão. Confesso que tenho uma certa inveja do meu irmão e da minha cunhada, mas, além de eles estarem à quase 500km de distância (moro em Brasília e eles em Uberlândia), não seria possível ela me ajudar tanto aqui com meu filhote, pois meu filho (Pedrinho querido!…) tem graves problemas mentais, inclusive auto e hetero agressividade, ainda assim, uma vez por mês ela vem prá cá e fica alguns dias comigo, me dando a alegria da sua companhia. O que quero mesmo ressaltar é que percebo que, se minha mãe não tivesse essa, digamos, responsabilidade, essa “tarefa” de cuidar do Tony, acho que ela teria pirado (aposentada e sem nada p/ ocupar o tempo); além do mais eles não “abusam” da generosidade dela e do meu pai, percebo que é uma alegria p/ ela poder nos ajudar, a mim, ao meu irmão e cunhada. Penso que seja assim tbm com sua mãe. Ok, logo ela (e todos nós, né mesmo?) estará mais velha, mais cansada, mas aí o João vai estar maiorzinho. Quanto ao seu pai, sei que é difícil, pq o meu também é teimoso, eu brinco que ele é escorpiano com ascendente em Mula, a gente ri bastante com isso. Obrigada por ter escrito o post, Jane, o texto tá ótimo e os comentários idem. Gostei muito do comentário da Kira, se ela ler o meu, que ela saiba que desejo toda a sorte do mundo p/ ela (muito guerreira!), pro bebê e pro pai. Bom finde p/ tds 🙂

  20. Jú Lazaro

    Nao gosto de falar nesse assunto.
    Mae e pai, pra mim, nunca deveriam envelhecer.
    Deveriam ser como aquele filme “O Curioso Caso de Benjamin Button”, sabe qual e?

    Bjocas

  21. Ritissima

    Oi, Janoca!!!
    Nem me fale do envelhecimento dos nossos pais. Meu pai ja e falecido e minha mae esta com 78 anos, e cada dia que passa e mais complicado, ela e lucida, faz ginastica, vai a igreja, esta bem, esta saudavel, claro que com um probleminha aqui e outro ali de pressao, coracao, mas continua firme e forte nas suas atividades, mas e teimosa de marre marre de si. Fizemos uma reforma na casa dela, trocamos a lavanderia de lugar so para ela nao ter mais que subir e descer escadas (o que me preocupava bastante), com baldes e roupas pesadas. Depois da reforma ela continuava acessando o antigo espaco fui obrigada a discutir e dizer que se ela nao parasse de subir e descer as escadas que eu iria soldar o portao que da lhe da acesso. Deu certo, agora ela ja curte a lavanderia nova, onde sobra espaco para ela secar a roupa e com piso antiderrapante para nao correr perigo de cair e ter alguma fratura.Os pais passam a ser nossos filhos. Isso e vida???
    beijocas e boa semana

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s