Divagando, divagando, divagando na caloi

Apesar o programa Saia Justa no GNT me irritar um pouco e eu achar que todas falam juntas e que é uma mais chata que a outra, a Monica Waldvogel falou algo sobre como ela se comporta quando está no fundo do poço com que me identifiquei muito.

Assim como ela, quando eu estou maaaalllllssss eu não faço a linha que me entrego e que deixo todo mundo perceber (e, com isso, se meter). Eu não mudo em nada, pelo menos nas coisas que as pessoas possam perceber.

Uma dupla personalidade é adquirida e eu só sofro com fé em Deus em momentos de solidão, o que é raro até por força do lance da maternidade e do casamento.

Só um comentário sobre casamento:

No casamento – eu não sei se vocês sentem assim – mas o marido/mulher se acha no direito e no dever de saber o motivo de cada espirro seu, então se você sucumbir a um sofrimento terá que explicar de onde tirou aquilo, e terá que aceitar um tratamento psiquiátrico.  

Voltando…

Então meus momentos de solidão e, por consequência, de sofrimento, ocorrem em geral no carro indo embora (quando a maquiagem já não é mais tão importante) ou durante os insuportáveis almoços desacompanhada.

Tirando isso, me comporto normalissimamente, mesmo sabendo que por dentro tá tudo em caquinhos.

Eu não sei se chego ao ponto de ter uma certa admiração por quem se entrega ao sofrimento, mas acho digno. Desde que você consiga sair do fundo do poço e não morar lá pra sempre.

E vocês? Como enfrentam crises em geral?

Querem um caderninho pra anotar antídotos eficientes contra crisinhas de humor? Clicaki.

Obs.: Usei uma imagem de ponte pra ilustrar o post divagante, mas quero esclarecer que eu tô bem, nada aconteceu e eu não pretendo me atirar de ponte alguma.

Anúncios

17 comentários sobre “Divagando, divagando, divagando na caloi

  1. Vanessa

    Menina di vez em quando tenho uma crise mas nada que um cartão de credito não resolva … se é que você me entende… ou ainda tem a segunda opção marido vê e Grita : DEIXA DE FRESCURA!!! Essa duas coisas espantam a crise como um passe de magica…
    Bj

  2. Karina

    Nossa Jane! Falou tudo!! Eu tenho extrema dificuldade para chorar, demonstrar tristeza…Ainda assim marido fica tentando pescar cada olhar vago…Sofro!
    Bjomesorteianopostanterior!

  3. Eu não gosto de expor meu sofrimento. Choro sozinha, no escuro. Não consigo chorar na frente de ninguem, só choro com o marido quando eu não dá pra segurar.
    Não gosto de contar minhas dores, são minhas, sei la…
    Ahh e tem outra coisa, eu ODEIO discutir relacionamento!!! Acho que vou escrever sobre isso… ahahaha
    Beijos Gata

  4. Somos gemulas entao em questão de sofrimento.
    Mas não tenho o mesmo controle com relação ao stress… Esse raramente eu consigo segurar a onda. Saio dando patada mesmo. Mas no ultimo mês tenho tentado ser uma pessoa melhor #not kkkkk

  5. Jane,
    tenho os dois momentos. As vezes consigo um ar blasé e finjo superioridade. Às vezes, piro e fico com sangue-nos-olhos ali mesmo, na frente de todo mundo. Mas quando tô mal, evito comentar, finjo que tá tudo ok, até eu chegar em casa e me jogar na cama, aos berros. Uma choradinha básica resolve 50% dos meus problemas, com certeza!
    ps: vc viu a TPM deste mês? o máximo!!!!!
    Bjs
    Jaque L

  6. Eu comecei a demonstrar mais com meu marido, qdo era solteira engolia o choro, era difícil alguem me ver triste ou perceber q eu não estava bem, já com o marido, acho q me sinto mais a vontade, afinal o cara ja me viu de todos os ângulos então vergonha eu não posso ter, meu problema era ter vergonha de chorar na frente dos outros, na frente do maridón eu abro o berreiro, ele raramente não sabe o motivo, pq já me conhece, então qdo eu começo a ficar mal ele apenas me abraça e me deixa chorar, depois passa.

  7. Jú Lazaro

    Janis,
    Depende do meu humor, sabe? Tem dias que eu quero colo, mas tem dias que eu quero sofrer sozinha, chorar as pitangas, sentir que o mundo acabou e não quero nenhuma palavra amiga. Só quero sofrer em paz, me deixa?!
    O mais bacana nisso tudo é fazer carão e fingir que nada acontece. Me sinto tão o máximo! hahahahah
    Sadomaso, eu? Nããããooo…hahaha

    Bjocas!

  8. É eu também não gosto muito de compartilhar sofrimento, dar explicação só me faz sentir mais tristeza/raiva/solidão/injustiça.
    Isso dito por uma psicóloga. “Bom exemplo”, abraçoaê!
    BJO

  9. Emile Sartori

    oi Jane

    eu também não demonstro quando não estou bem, sou solteira, mas mesmo pra família (pai, mãe e demais parentes..) prefiro não mostrar nada, não gosto de palpites mesmo.
    também não choro na frente de conhecidos, se quero chorar um pouco vou no cinema sozinha e assisto a um filme triste.. tipo final do Marley e Eu.. entende?.. triste não? hehehe..

    mas felizmente esses momentos são bem raros pra mim.. estou numa fase boa.. que espero que se mantenha em 2010..

    abraços

  10. Helena

    Eu tenho problemas. Não sofro com coisa alguma. Choro com qualquer coisa, mas não sofro. Lembro de sofrer de ciúmes do namorado… só isso. Hoje estou casada com esse namorado, 10 anos de casamento, dois filhos lindos e saudáveis… eu acho que é pelo fato de eu não pensar muito nas coisas… assim eu não consigo sofrer.

  11. Vixi, eu sou transparente feito vidraça limpinha, sabem? Se tô triste, todo mundo percebe, se tô feliz, idem, se tenho ciúmes, raiva… Tudo!! É horrível porque às vezes vc quer se esconder do mundo e só consegue isso ficando embaixo da cama no escuro!

    E ultimamente as minhas crises existenciais estão aparecendo assim, sem nem terem sido chamadas. Ô inferno!

    Bju, me sorteiadinovo! Rsrs…

  12. marcia

    Oi jane,

    Eu na maioria das vezes não consigo esconder meu estado de espirito,mas ñ gosto de ficar contando os motivos pros outros não…acho que aumenta seja lá o for que estou sentindo (raiva,tristeza,decepção,desilusão…)por isso choro.e choro muito e sempre que uma coisa ruim me acomete meu primeiro pensamento é minha cama,meu travesseiro e a porta do quarto fechada;Normalmente nesse momento quero msm é ficar sozinha só que assim que começa a passar quero colo e abraço do marido e assim me refaço pra continuar…

    Abraçosmesorteia!

  13. Jane, que se jogar da ponte, nem se vc tivesse muuuuito mals! Nunca. nem cortar os punhos, nem se intupir de rivotril… E nem morar no fundo do posso. Não é tão difícil conviver com o sofrimento como é com os tais maridos… Entonces, vamo que vamo! Beijooooooo

  14. ô meu Deus!Que bom que a ponto é meramente ilustrativa e que ñ tem nenhuma idéia suicida nas entrelinhas!kkk
    Eu admiro vc,sabe?Com completamente o seu oposto, menina quando estou triste, desabafo até com os mendigos a rua,sério um mico,só!
    Gostaria de ser mais discreta,sabe?mas a minha lingueta ñ cabe dentro da boca!:/
    Um dia eu chego lá!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s