Eu queria ter na vida simplesmente …

Voltei esse post, originalmente publicado em julho de 2010, para homenagear meu amigo Rubinho, que nos deixou hoje. 

 

No meu sonho eu tenho uma quitanda. Na minha quitanda é tudo limpinho, “lustroso”, os grãos são vendidos a granel, que nem quando eu era pequena. Os fregueses (lá não tem cliente, eu tenho freguesia) me pedem pra guardar a mercadoria, e eu também indico o que está fresquinho.

Na minha quitanda tem queijos, doces de cortar,  umas linguiças calabreza penduradas nuns ganchos, café moído na hora pra comprar o pó, e café moído na hora pra tomar também.

Pra acompanhar, eu posso assar uns pães de queijo, e também tem a massa pra vender, pega alí na geladeira. Tem chá fresquinho pro bebê com cólica, pra mamãe ter leite, pros insones.

Os amigos se reunem lá, todo mundo coloca um cartãozinho de suas melhores habilidades no mural da minha quitanda. Quem sabe fazer comidinha pode deixar lá pra vender, quem sabe fazer craftices também, todo mundo dá pitaco, é a casa da mãe Joana.

Muitas pessoas sabem desse meu desejo, que nem é desejo, é sonho mesmo, porque na minha imaginação tudo dá certinho, mas na realidade nem sei se seria viável.

Aí o querido do Rubinho, do blog do Seo Rubs (segue ele no twitter @rleme), me mostrou um vídeo lindo, que praticamente traduz o meu sonho, e ainda emociona. Vê só:

Anúncios

Vivendo num filme: Montmartre

Como diz minha amiga, quando estamos em Paris nos sentimos num filme.

Some-se a esse sentimento o fato de um dos meus filmes favoritos se passar em Paris, especificamente em Montmartre. Estou falando de O fabuloso destino de Amélie Poulain, já viu? Tem o trailer aqui.

Passear em Montmartre estava na minha programação e andei durante a tarde pelo bairro, após ter passado a manhã nos arredores de Notre Dame (falarei em outro post). O bairro é cheio de ruazinhas com lojas, pintores de rua e cafés. Tem muita traquitana para comprar, souvernirs para todos os gostos.

Pausa: sou aloka do souvenir. Cheguei à conclusão que é melhor trazer lembrancinhas do que chorar por não ter sequer um ímã de geladeira como recordação. Em Montmartre comprei uma aquarela linda de um pintor de rua (que me deu um trabalhão para trazer sem amassar) e umas ilustrações de Paris impressas.

As ruas do bairro são arborizadas e bem no alto fica a Igreja Sacre Coeur, com uma das vistas mais lindas da cidade.  Para chegar lá em cima vale a pena encarar a escadaria, mas também é possível subir de bondinho.

IMG_3021
Igreja lá em cima, observem a escadaria!

Quem assistir o filme vai lembrar desse Carrossel, que fica no pé da escadaria.

IMG_3018
O Carrossel. Assiste o filme, vai?
IMG_3023
Ruazinha charmosa em Montmartre.

Uma das atrações de Montmartre é o museu do Salvador Dali, recomendo muito!

IMG_3025
Escultura “Alice no país das maravilhas” do Salvador Dali.

 

Cheguei em Paris, e agora?

IMG_2992
Paris, Sena.

Quando comecei a planejar minha viagem à Paris visitei inúmeros blogs, comprei guias, revistas, conversei com amigos que já tinham ido e defini a programação básica que eu considerava imperdível:

– Torre Eiffel;

– Avenue des Champs-Elysées;

– Catedral de Notre Dame;

– Sacre Coeur / Montmartre;

– Versailles; e

– Louvre

Esses locais seriam fundamentais e, a partir deles, definiria os sub-locais a serem visitados (observem a neurose galopante). Minha ideia era visitar tudo com calma, entrar no clima, andar muito e tranquilamente, fazer o que se chama “turistar”. E assim foi feito.

Quando cheguei no Aeroporto Charles de Gaulle fui de ônibus da Air France até o Gare Montparnasse onde peguei um táxi até meu bairro. Esse ônibus custa 16 Euros e faz paradas em Paris (Gare de Lyon, Gare Montparnasse, Port Maillot, Etoile/Champs-Elysées e Invalides). Compensa muito já que um táxi do aeroporto até Paris sai uns bons euros. Porém vale considerar que tomar metrô com mala não é tarefa muito fácil: as estações são super extensas e com muitas escadas (não rolantes). Então prefira chegar na cidade de ônibus num ponto estratégico e então tomar um táxi até o hotel.

O Metrô (maravilhoso) e seus intermináveis corredores.
O Metrô e seus intermináveis corredores.

Chegando em Paris já fiz meu “bilhete único”: uma carteirinha que você carrega com crédito para ilimitadas viagens de metrô (acho que de ônibus também, mas não andei de ônibus) por uma semana ou mais, a escolher. Vale a pena financeiramente e garante perda de tempo zero. O metrô é sem dúvida o melhor jeito de se locomover, a única desvantagem é que não se vê a cidade durante o trajeto (existem pequenos trechos de superfície). Tem estação de metrô por todos os lados e é bem fácil compreender o esquema das linhas.

Usando o metrô consegui cumprir minha programação, exceto visitar Versailles (esse passeio leva um dia inteiro). Andei muito a pé, sem pressa, e posso dizer que conheci bem e me encantei por Paris!

O meu objetivo não foi fazer turismo gastronômico, mas tenho que deixar a dica de um restaurante pra lá de incrível, o Nos Ancêtres Les Gaulois. Fica na Ilha de Saint-Louis – o que já garante um charme extra – pertíssimo do metrô Pont Marie (tudo é perto de algum metrô, acredite). Vinho a vontade, carne de primeira, cesto de legumes crus, pães e queijos divinos. O ambiente é de uma taberna, com música e um certo alvoroço. Parece que tem que reservar mas, como Deus é brasileiro, conseguimos sentar nos dois últimos lugares disponíveis junto com umas americanas. Eu achei que era uma espécie de integração entre os povos, mas depois soube que o restaurante estava completamente lotado aquela noite.

Com o pingo de bateria que me restou consegui tirar foto só da fachada do restaurante.

Minhas outras refeições não foram tão glamourosas, apesar que tudo é glamour em Paris, até andar com um mapa voando e tirar foto o tempo todo (incluindo selfies).

Selfie com glamour.
Selfie com glamour.

 

P.S.: Também escrevi sobre o início dos meus planos de viagem no blog Brazil com Z.

Voltando em grande estilo

Blog Torre
Legenda? E precisa?

Depois de um longo recesso, que estava caminhando para uma aposentadoria bloguística, voltei em grande estilo!

E o retorno foi por um excelente motivo: contar e registrar minha última aventura, uma temporada de aproximadamente 10 dias em Paris e Amsterdam. Farei  uma série de posts – porque ninguém merece leituras extensíssimas – mas ainda estou estruturando o melhor jeito de postar. Não sei se reúno as dicas num único post, se coloco informações relevantes (tipo preços) no corpo dos textos, se escrevo aleatoriamente e respondo dúvidas nos comentários. Talvez fique com a última alternativa, mas aceito sugestões.

Após o anúncio sobre o retorno na grande mídia  na minha página no Facebook (nem sei se eu tenho uma página ou um perfil ou se perfil e página são as mesmas coisas) fiz um post colaborativo no Blog Brazil com Z para começar esquentar os motores. Foi então que percebi o quanto estou enferrujada e que demoro duzentos anos para escrever o que antes eu escrevia numa “sentada”. Por isso peço desculpas antecipadas caso a frequência de posts não seja a mesma do tempo que eu era jovem e o Mulheres era meu hobby.

Fui para a Europa sem a família e a maioria dos passeios em Paris fiz sozinha, padrão turistona, com a câmera (iPhone) numa mão e o mapa na outra. Em Paris fiquei hospedada com minha amiga Gris que estava passando o mês todo lá, mas ela foi estudar e não estava disponível para o esquema que programei meus passeios, feitos basicamente de metrô e andando muitíssimo a pé. Esses passeios renderam infinitos selfies e, nesse especificamente, saiu um pedaço do meu inseparável Guia de Paris embaixo do braço.

Foco no Guia!
Foco no Guia!

No período da viagem, fiquei de segunda a sexta em Paris, passei o fim de semana em Amsterdam e retornei na segunda-feira para Paris, onde fiquei até quinta a noite.

Em Amsterdam eu e Gris fomos recebidas pela Anita, do blog Greetings from Holland, que conheci através do Mulheres, quando éramos blogueiras engajadas e postávamos como se não houvesse amanhã. Ela fez toda a programação do fim de semana, e na segunda-feira, como embarcamos para Paris no fim do dia, também pratiquei bateção de perna na terra das bicicletas. Vou fazer um post específico sobre Amsterdam, mas a Anita já contou sobre nossos passeios no blog dela, dá uma espiada. Também vai rolar um post meu no Brazil com Z, são tantas promessas…

Blog Amsterdam
Gris, eu, Anita e a filhinha dela, Lorena.

Posso dizer que nesse esquema conheci Paris muito bem, me localizei e sou capaz de refazer todos os meus trajetos. Já em Amsterdam nem mapa peguei, fiquei por conta da minha guia perfeita, passeei sem me preocupar com direção ou com programações. Por isso me comprometo com mais detalhes nos posts sobre Paris.

O último apaga a luz

Será que nem pra reclamar do Natal irei postar? Nem pra contar que terei que fazer um almoço dia 25 e que ainda não comprei nada? E que na esperança do fim do mundo, deixei pra ir ao shopping aos 45 do segundo tempo?

Eu já andei tentando falar aqui que esse respeitável blog estava prestes a virar purpurina.

Eu falei que não era mais a mesma (graças a Deus, diga-se), que as coisas não me inspiravam mais. Faltou falar a derradeira verdade, que ando com preguiça postar.

Também postei músicas por pura falta de assunto, o que pode significar que o lugar onde antes eu falava de tudo um pouco tenha virado uma caixa de memórias.

E no fundo é isso, esse blog hoje é uma caixa de memórias. Onde guardo preciosidades, mas onde já não passo toda hora.

Isso não significa que virei uma Fiona – versão ogro – e que esqueci de desejar um Feliz Natal aos amigos.

Por isso desejo a todos um ótimo Natal e que o verdadeiro sentido desta data não seja esquecido e nem se perca diante do desejo pelo maior pacote.

TREE

Outubro Rosa

Aproveitando o clima do Outubro Rosa, e com aquele medo típico das primeiras vezes, entrei para o time das que fazem mamografia. Leia-se para o time das mulheres de quarenta – ou em torno disso.

Da primeira mamografia (e de um monte de outras primeiras coisas) a gente não esquece, mas ainda bem que não lembrarei da minha como algo muito doloroso.

Fui para o exame crente que meu peito viraria uma panqueca, segundo palavras da minha própria mãe, ó que amor sincero amor verdadeiro ❤ ! Mas na verdade não doeu tanto, ou eu sou casca grossa (bem provável).

É uma dor totalmente suportável, que dura poucos segundos, nada que seja motivo para não realizar a mamografia ou adiar. Aliás, temos que ficar atentas a esses pequenos desencorajamentos que vão entrando na nossa cabeça.

Para ilustrar, tirei uma foto de uma correntinha-lembrete que ganhei ano passado, num evento que participei e postei aqui.

Oct

Para complementar as histórias de outubro, visitei a Margaret, na Bahia. Ela postou fotos no blog dela, vai lá ver. Aproveita e lê a história da Marga, que venceu um câncer de mama com determinação, coragem e principalmente alegria de viver!

Marga, dedico esse post e meu peito panqueca a você!